Serviços

Conheça nossos serviços

A escolha de cada processo sempre respeitará a urgência do cliente, a necessidade, a disponibilidade financeira, a manutenção dos relacionamentos, o amadurecimento da compreensão e a eficácia para todos os envolvidos.

Podemos utilizar um ou mais processos, dependendo da necessidade.

Para melhor compreensão, vamos explicar cada processo individualmente.

Negociação

Quando uma pessoa possui um conflito e precisa de um auxílio profissional para solucioná-lo, ela deve procurar um advogado. Este profissional vai orientar e, se for o caso, auxiliar essa pessoa a encontrar a solução mais adequada. Neste auxílio ele pode representar seu cliente perante um terceiro, para negociar a solução.

As vezes estamos confusos, cansados, nervosos ou simplesmente ocupados, portanto, contratar um advogado que confiamos é um ato de extrema sabedoria. Além disso, o advogado é um profissional acostumado a pensar sob pressão e como diria o velho ditado: “Duas cabeças pensam melhor que uma”.

Após a realização do acordo, os ajustes são reduzidos a termo e encaminhados para coleta de assinaturas. Este termo trará as partes a segurança jurídica necessária para a execução do acordado.

Este processo possui base legal no Artigo 3º §3º do Código de Processo Civil.

Mediação

Muitas vezes o relacionamento entre duas pessoas está tão abalado que ambas amargam a dor do silêncio e do conflito. Neste caso, a comunicação precisa ser refeita, para que haja a compreensão e solução do impasse.

Podemos utilizar o trabalho de mediação, onde um mediador irá intervir na aproximação das partes e auxiliar nas tratativas.

O advogado é de suma importância neste processo, pois ele auxiliará o seu cliente a analisar o caso, formular soluções e a falar em seu nome, sempre quando este não puder fazê-lo.

A mediação, como dito, objetiva restabelecer a comunicação, sendo assim é indicada para questões que envolvam pessoas que tenham vínculo anterior, como, por exemplo, conflito entre familiares, divórcios, sócios em empresas, parceiros comerciais, vizinhos, etc.

Caso as partes entrem em um acordo, os ajustes serão colocados a termo e poderá ser homologado por um juiz de Direito ou árbitro, que dará força ao mesmo de título executivo judicial, ou seja, é a mesma força de uma sentença proferida em um processo.

Este processo possui base legal no Artigo 3º §3º do Código de Processo Civil, é regulado por outros dispositivos do mesmo diploma legal, pela Lei 13.140/2015 e pela Resolução 125/2010 do Conselho Nacional de Justiça.

Conciliação

O advogado aqui atua preparando seu cliente para uma audiência de conciliação, podendo ainda o acompanhar ou representar. Esclarece seu cliente sobre os seus direitos e o ajuda a formular soluções satisfatórias e justas. Pode ainda adotar as providências necessárias caso o acordo não seja firmado.

Este processo possui base legal no Artigo 3º §3º do Código de Processo Civil, é regulado por outros dispositivos do mesmo diploma legal, pela Lei 13.140/2015 e pela Resolução 125/2010 do Conselho Nacional de Justiça.

Processo Administrativo

Processo administrativo é o meio pelo qual conseguimos algo perante repartições públicas ou privadas. Como, por exemplo, obtenção de alvarás na prefeitura, boletins de ocorrência, autorização para procedimentos médicos, liberação de valores previdenciários, reanálise de sinistros, pedido de residência para estrangeiro, etc.

Outra grande vantagem de se ter um advogado realizando seu processo administrativo é que o mesmo já vai estar familiarizado com o caso e com as dificuldades, caso precise tomar alguma medida judicial.

De forma mais específica, este processo é regido em conformidade com as determinações de cada órgão ou repartição.

Arbitragem

As vezes as partes não podem ou não querem decidir sobre seus conflitos. Objetivando evitar a morosidade ou a publicidade do Poder Judiciário, as partes podem procurar resolver seus conflitos com um Processo Arbitral, que ocorre em uma Câmara Arbitral ou Tribunal Arbitral.

Todo Processo Arbitral é sigiloso, deve ser custeado pelas partes e possui a duração máxima de 180 (cento e oitenta) dias, podendo ser julgado muito antes.

A função do advogado num Processo Arbitral é de representar o seu cliente como se fosse num Processo Judicial e sua participação é indispensável, uma vez que o profissional reúne todo conhecimento necessário para o orientar seu cliente nesta jornada. Sem o advogado seria como colocar luvas de boxe em duas pessoas que desconhecem o esporte.

O Processo Arbitral foi instituído no ano de 1996 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, por intermédio da Lei 9.307/96. Apesar de antigo, este processo é pouco difundido no meio popular, geralmente sendo utilizado por grandes corporações e multinacionais.

Processo Judicial

O intuito de um Processo Judicial é de estabelecer a ordem em um conflito e não a harmonia nos relacionamentos. Caso não haja a cooperação de uma das partes, houver a inobservância de algum direito e se fazer necessária a solução do conflito, seu uso é recomendado.

Contudo, em regra, um Processo Judicial é moroso, caro, público e alimentará o ódio entre as partes. Por isto, seu uso deve ser bem pensado.

A função do advogado em um Processo Judicial é de falar pelo seu cliente, pois as partes não podem se manifestar nos autos, o jus postulandi. Ele é quem detém todo o conhecimento técnico para discutir o caso e que executará seu trabalho sob a batuta das leis e da ética profissional.

Todo seu procedimento é regido pela Constituição Federal, Códigos, Leis, Regimentos e Súmulas.